Feeds:
Posts
Comentários

Arquivo da categoria ‘Planos de Aula e Treinos’

Quantas vezes não temos que solicitar ao nosso aluno: “Salte para arremessar!” depois de uma finalização realizada por ele sem a utilização destas habilidades?

Uma estratégia muito utilizada para ensinar o aluno a salta e arremessar é pedir para que, simplesmente, façam isso, um de cada vez, com todos os outros amigos aguardando sua vez para fazer, por meio de correções do professor sobre o procedimento adotado pelo aluno.

Isto ensina? Sim, claro! Porém, também expõe o aluno que não consegue e este é o primeiro passo para a desistência do aluno. Portanto, devemos ter sensibilidade pedagógica quando tratamos do assunto.

Logo, uma forma adequada para isso seria ensinar o aluno a saltar e arremessar sem precisar de grandes intervenções, ou seja, criando atividades nas quais ele faça isso pela própria solicitação da atividade.

Para isso, apresento um jogo, que se faz jogante com relação a esta regra, de forma que o jogador seja impelido a tentar saltar e arremessar para ter êxito: Trata-se do Dodgebol com uma rede de voleibol. (mais…)

Read Full Post »

Após o primeiro artigo desta série, segue agora mais um jogo apresentado pelo grupo de alunos da Pós-Graduação em Pedagogia e Treinamento em Jogos Esportivos Coletivos, no módulo de iniciação e especialização ao Handebol oferecido pela Universidade Gama-Filho.

Os jogos desenvolvidos pelo grupo em questão tratam do ensino dos seguintes temas:

Tema 2:

  • Defesa: Marcação individual.
  • Ataque: Desmarque com progressão ao alvo adversário, passe e recepção.

O grupo apresentou uma progressão muito interessante de atividades, no entanto, (mais…)

Read Full Post »

Nos dias 10 e 11/12 de 2011, fui o docente da turma de especialização da Universidade Gama-Filho, do curso de Pedagogia e Treinamento dos Jogos Esportivos Coletivos, ministrando o módulo de Iniciação e Treinamento do Handebol, na qual 3 turmas de especializandos da cidade de São Paulo participaram. O curso foi realizado no Centro Olímpico, com total apoio do professor Daniel “Cubano”, para o qual deixo um forte abraço, pois foi muito interessante a conversa e a troca de experiências que tivemos.

De forma geral, o curso tratou de 4 principais eixos: A visão sistêmica do handebol, métodos de ensino – tratando da valorização do Jogo como forma de ensinar, definição dos conteúdos de aprendizagem e os sistemas de jogo para a iniciação e especialização.

Como avaliação, ou melhor, frutos deste processo, no último dia de curso, foram divididos 4 grupos que receberam uma tarefa: construir um único jogo que pudesse dar conta de ensinar diversos conteúdos relacionados ao processo de aprendizagem ao handebol. Abaixo, seguem os temas trabalhados por cada grupo:

Tema 1:

Desenvolver um jogo que possa ensinar:

  • Defesa: A troca de atacantes ou acompanhamento destes dentro de um sistema defensivo aberto.
  • Ataque: Queda de segundo pivô.

Tema 2:

Desenvolver um jogo que possa ensinar:

  • Defesa: Marcação individual.
  • Ataque: Desmarque com progressão ao alvo adversário, passe e recepção.

Tema 3:

Desenvolver um jogo que possa ensinar:

  • Defesa: Jogar contra superioridade numérica ofensiva e trabalhar a troca de marcação do pivô.
  • Ataque: Luta pelo espaço vazio (para Pivôs).

Tema 4:

Desenvolver um jogo que possa ensinar:

  • Defesa: Marcação em zona para defesas em 2 linhas e valorização do contato físico.
  • Ataque: Ocupação de espaços vazios e finalização.

Os resultados foram maravilhosos e, com a devida autorização de cada grupo, publico abaixo a atividade proposta para o tema 1 e realizo uma breve análise pedagógica de cada uma desta. Nos próximos artigos, farei o mesmo com os outros 3 temas. (mais…)

Read Full Post »

Link muito bom, com acesso aos materiais da REAL FEDERACION ESPAÑOLA DE BALONMANO. Vale muito a pena a leitura!

Bom divertimento!

http://balonmaneros.blogspot.com/2011/03/los-medios-tacticos-en-balonmano.html

Read Full Post »

Conforme já foi tratado neste blog, a utilização de estratégias ofensivas livres (sem características posicionais e zonais) deve ser explorada de forma contínua em categorias mirim e infantil, sendo, em muitos casos, o padrão ofensivo que pode ser utilizado como o principal a ser utilizado, sobretudo na categoria mirim.

Jogar de forma livre, porém, não significa deixar o jogo acontecer e, apenas, incidentalmente, as situações ofensivas acontecerem. Claro, que nestas idades, o jogo livre torna-se um importante referencial para o desenvolvimento da criatividade, porém, é possível que, pelo menos uma base de ataque já possa ser aprendida e utilizada.

Está base de ataque tem como referência inicial o equilíbrio entre atacante com bola e defensor adversário, em situações que tipicamente, o atacante com bola perde o poder de deslocamento (seja por que já driblou e agora está segurando a bola, seja porque o contato físico do defensor é muito presente, tornando perigoso driblar e perder a posse da bola).

Na figura abaixo, temos um exemplo de uma situação de equilíbrio defensivo frente ao atacante com bola (típico da defesa individual, também bastante comum nesse período de aprendizagem).

Figura 1. Equilíbrio Defensivo – O atacante não consegue deslocar-se com a bola.

Mediante esta situação, uma base de ataque pode ser explorada (mais…)

Read Full Post »

Conceito:

Ouvi pela primeira vez o termo “base de ataque” em minha pós-graduação, numa aula ministrada pela Professora Rita Orsi em que estávamos discutindo os meios táticos ofensivos e defensivos do handebol.

Ao ouvir este termo, consegui, pela primeira vez, conceituar algo que tinha muita dificuldade de fazer: sempre tive por princípio, a partir de um determinado momento do processo de ensino-aprendizagem, o ensino do que chamava ser “jogadas que não sejam estruturalmente fechadas”. Isso significa na prática a organização de uma sequência de movimentações encadeadas que possibilitem o surgimento de erros defensivos, porém, possibilitando ao atleta a tomada de decisão perante as circunstâncias do jogo.

Ao ouvir o termo “base de ataque”, consegui, finalmente, conceituar esta longa explicação acima descrita.

Logo, resumindo:

A base de ataque é um conjunto de referências que orientam ações encadeadas pelos atacantes de forma a possibilitar vantagem para a tomada de decisão frente as circusntâncias do jogo. É o que possibilita que todos falem a mesma “língua” num dado momento de organização ofensiva.

Elementos técnico-táticos do jogo que precisam estar bem assimilados antes do ensino de bases de ataque:

Ensinar bases de ataque, principalmente no tocante à iniciação ao handebol, deve respeitar uma séria de conceitos já assimilados fora do jogo (de forma circunstancial/declarativo) e dentro do jogo (de forma circunscrita/processual).

Ou seja, definir referências que orientem uma base de ataque não é algo que deve ser simplesmente jogado para uma equipe. Cada base de ataque necessitará de elementos técnicos e táticos específicos, porém, pensando o básico, alguns elementos devem estar bem sedimentados dentro do processo de ensino-aprendizagem:

Passar com segurança e eficiência (mais…)

Read Full Post »

Olá,

Pesquisando no Youtube, resolvi procurar tudo o que podia sobre treinamento de goleiros de handebol.

Treinar goleiros é sempre uma tarefa difícil, principalmente quando pensando em seu treino integrado ao treino dos jogadores de quadra. Este é um grande desafio!

Apesar de não encontrar nada que vise um trabalho totalmente integrado, encontrei, um vídeo que copila uma série de exercícios que tratam do trabalho voltado ao detalhe técnico dos goleiros. Achei bacana compartilhar, dar uma luz a quem tem esta dificuldade em seu dia-a-dia nas quadras.

Bom proveito!

 

 

Read Full Post »

Visando dar continuidade ao artigo anterior, em que foi tratado o conceito da finta-tática tendo como base o reconhecimento dos espaços vazios defensivos, segue agora um exemplo de atividade que deve ser aplicada até os 12 anos de idade (mas que pode ser aplicada também em idades maiores) que pode estimular a aprendizagem simultânea dos meios táticos individuais ocupação de espaços vazios e finta, tão importantes para a iniciação ao handebol.

Mamãe da Rua com 3 pegadores e facilitação da observação dos espaços vazios:

Acredito que todos conheçam a brincadeira conhecida como mamãe da rua, dono da rua e que ainda pode ser conhecido por outros nomes.

Esta brincadeira popular pode ser levada ao ambiente de aprendizagem do handebol, principalmente quando se tem o objetivo e ensinar a ocupação dos espaços vazios e a possibilidade de execução da finta-tática.

Através de pequenas adaptações deste jogo, é possível potencializar a aprendizagem desses aspectos do jogo.

Abaixo, breve descrição da atividade:

Objetivo do Jogo:

Os pedestres (fugitivos) deverão atravessar uma região (rua) que é protegida por um ou mais jogadores (os pegadores ou donos da rua), saindo de um lado (calçada) para o outro lado da rua (outra calçada), lugares em que os pedestres estão salvos.

Regras Básicas:

Todos os pedestres devem receber dois barbantes ou coletes que devem ser presos  lateralmente em seus shorts e bermudas, assemelhando-se a dois rabinhos que são utilizados em brincadeiras como o pega-rabo.

O dono da rua deverá tentar retirar um dos barbantes ou coletes dos pedestres. Caso consiga, ele deixa a rua e vira pedestre, e o pedestre vira dono da rua, entregando seu outro barbante a quem ao então pegador.

Todos devem tentar atravessar a rua ao mesmo tempo, ao sinal do professor, não valendo retornar para a calçada em que estavam.

Considerações pedagógicas: (mais…)

Read Full Post »

No processo de iniciação ao handebol, geralmente, e com certa razão, valorizam-se atitudes individuais como conteúdos de ensino.

Quando se fala do jogo ofensivo, principalmente, a finta é quase sempre considerada o primeiro elemento técnico (talvez, junto com a realização do passe) a ser abordado. Não existe erro nisto, pois ensinar a fintar é o primeiro meio pelo qual um aluno aprende, mantendo a posse da bola consigo, a ultrapassar um adversário em direção ao gol.

No entanto, quando se trata da aprendizagem da finta, as abordagens de ensino mais utilizadas quase sempre se pautam na desconstrução da técnica da finta em suas partes, passadas uma de cada vez aos seus alunos. Primeiro, ensina-se a fixar (realizar a passada zero) frente a um cone, depois a mudar de direção, num terceiro momento, em duplas, um passa a bola e outro a recebe fixa-se a sua frente, saindo de um lado ou do outro do seu companheiro de dupla, que não realiza qualquer ação de resistência a essa finta, alternando uma repetição para cada um. Num quarto momento, mostra-se que ao sair para o lado oposto ao braço dominante, o jogador deve realizar uma finta de braço (mostrando como realizar esse gesto) e se sair para o mesmo lado do braço dominante, realiza-se a finta de corpo.

A partir desta sequência, se constroem variadas circunstâncias, incluindo um arremesso a gol, um passe lateral e etc.. de forma que a finta, tecnicamente, passa a ser bem assimilada. Com essa sequência de ensino não há dúvidas de que a ação motora será bem internalizada.

Esse tipo de abordagem sem dúvida se baseia no ensino da técnica e pode formar excelentes fintadores. No entanto, esse tipo de abordagem de ensino não garante que a finta seja compreendida em sua totalidade tática.

Segundo a literatura espanhola e portuguesa, a finta deve ser entendida como mais do que um recurso técnico, mas sim como um meio tático (mais…)

Read Full Post »

Nas idades em que já há o processo de especialização do handebol, retornar defensivamente deve ser mais do que uma atitude aplicada em pequenos jogos, como no caso da iniciação.

Retornar defensivamente nesse período passa a ter importante carga estratégica (sem deixar de lado, claro, o fato de que as fases transitivas do jogo – retornar defensivamente e contra-atacar com rapidez – exigem grande capacidade de antecipação ao desfecho da jogada).

Retornar deixa de ser apenas uma atitude de voltar ao campo defensivo, ou de simplesmente buscar recuperar a posse de bola. Algumas funções devem começar a ser definidas enquanto modelo de jogo da equipe, estruturando o chamado “balanço defensivo”.

Balanço defensivo é uma estrurtura (móvel ou fixa) que possui características bem definidas e treinadas, de forma que a equipe possa se auto-organizar em função de elementos (referências) do jogo.

Abaixo, segue uma sequência de jogos que possibilitam a aprendizagem do retorno defensivo com o conceito de balanço defensivo. (mais…)

Read Full Post »

Older Posts »

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 983 outros seguidores